terça-feira, 30 de julho de 2013

Bridgit dá longa entrevista a site de Cingapura


Nem bem chegou a Cingapura, para participar dos eventos de lançamento do filme Teen Beach Movie, novo musical do Disney Channel, Bridgit Mendler já concedeu uma longa entrevista – assim como Maia Mitchell, protagonista do filme Teen Beach Movie.
O site TODAYOnline, dos maiores portais cingapurianos de notícias, conversou com Bridgit sobre vários aspectos de sua carreira.
Confira a entrevista – e a tradução feita por nossa equipe, abaixo:

Eu me interessei por atuar quando tinha 11 anos. Aos 13, fiquei realmente interessada em trabalhar na região de Los Angeles. Contratei meu primeiro agente, que procurou fazer com que eu atuasse em mais locais, até que comecei a trabalhar no Disney Channel.

Já música é algo que eu sempre fiz, escrever canções é meio que a minha primeira atividade. Mas eu não pensava em fazer isso profissionalmente, até entrar no Disney Channel. Achava que não teria a chance de dividir isso com as pessoas. Mas sempre fui muito interessada nisso.

Quando eu era mais jovem, adorava Destiny’s Child, adorava Britney Spears, Christina Aguilera, N’ Sync… esse tipo de gente.

Acho que estilo é definitivamente pop, as coisas de pop que eu ouvia definitivamente me influenciaram. Mas eu também gosto de coisas mais na linha do R’n'B e do jazz. Mas também gosto de coisas do funk, e coisas esquisitas.

É curioso: quando eu era pequena, eu ficava brincando no piano, ou no violão, e as canções que eu fazia sempre tinham um estilo mais puxado para o jazz. Isso me frustrava um pouco, porque eu queria era fazer uma canção pop. Mas agora é algo que me orgulha, é algo inerente a mim, é intuitivo, é o meu estilo.

Quando eu era criança, eu tocava violino, mas me esqueci completamente de como se toca. Mas eu toco piano, toco – mal – violão… e recentemente comecei a tocar keytar.

Sobre “Boa sorte, Charlie”: eu já trabalho no Disney Channel há algum tempo. Eu fiquei um mês, dois meses fazendo “J.O.N.A.S” e “Os feiticeiros de Waverly Place”. E os diretores de lá devem ter se familiarizado comigo a partir desses trabalhos. Eu tive de fazer um trabalho de leitura, para ver se rolava química de atuação com Jason Dolley, para “Boa sorte, Charlie”. Aconteceu assim, e logo a gente foi fazer o piloto. Foi bem rápido. Alguns meses depois, nos disseram que estávamos escalados para atuar na série.

Eu adorei estar na série desde o começo. Achei que ela virou até um pouco de minha propriedade. As pessoas que trabalharam lá eram meio como a minha família. Passamos juntos por toda essa experiência.

Em termos de atuação em filmes, eu gostaria de fazer algo mais dramático. Seria legal. Ou então, atuar num filme de ação, que é algo com que sempre sonhei, algo divertido nessa linha. Com relação a séries de tevê, eu adoro o estilo de humor nerd. Sempre adorei coisas como “The Office”. E também gosto das coisas humorísticas britânicas, como Ricky Gervais. Ele é divertido. Enfim, adoraria fazer algum humorístico nessa linha.

Quando eu era mais jovem, a única série da Disney que eu via era “As visões da Raven”. Era legal. Eu e meu pai assistíamos juntos, se parecia um pouco com a gente. Mas era só isso, não éramos muito de ver tevê. Víamos muitos filmes, eu adorava coisas familiares, mas eu não via muita televisão, nem a cabo, até ficar mais velha.

Agora, eu estou começando a gostar… como estou trabalhando com música, e estou viajando mais com meu trabalho, conheço mais pessoas onde quer que eu vá. Adoro comida, então experimento novos pratos. Por exemplo, experimentei siri com chilli, recentemente. Estou conhecendo novas coisas. É um privilégio.

Acho que há coisas que você pode levar com você. Às vezes, falar com as pessoas de casa lhe dá ainda mais saudade, mas vale a pena. Acho ótimo que haja pessoas de quem você sente falta, e que sintam falta de você. Mas adoro as pessoas próximas, e fazer mais amigos pelo caminho.

Para mim, o melhor conselho é ser grata às oportunidades que lhe são dadas, e não achar que elas vêm de graça. Sabe, sinto que pode haver muito estresse em relação a ter de atuar, ter de viajar. Vem muita coisa em cima de você. Então, ver todas essas experiências como coisas boas realmente muda sua perspectiva.

Tempo é algo que realmente me estressa. Eu sempre fico estressada com tempo. Sempre controlo quando tenho de estar pronta. Por exemplo, quando tenho de me aprontar, e só tenho dois minutos, mas tenho de ficar pronta, colocar as joias, a maquiagem… isso realmente me estressa. Saber que terei um dia cheio, e não terei tempo de ligar para minha família em casa, é outra coisa que me estressa. Mas acho legal que haja pessoas que viajam com você e tornam essas coisas mais fáceis. Isso lhe ajuda a relaxar.

Eu li muitos livros de F. Scott Fitzgerald. Acho que ele tem um estilo romântico de escrever, divertido. Meu livro preferido dele é “Este lado do paraíso”. Agora, estou lendo um livro muito velho: “O peregrino”.

Eu tento fazer uma coisa de cada vez. Se eu vou ficar muito tempo num avião, eu trago um livro que poderei ler. Talvez, eu leve algumas revistas. Por exemplo, adoro as revistas da National Geographic, há muitas histórias legais lá. Isso ajuda a fazer passar o tempo na viagem.

Há um lado nisso que é bem legal e criativo. Adoro isso, acho que é legal você experimentar em suas escolhas. Mas ao mesmo tempo, tenho uma característica interna de sempre achar que não sou legal o suficiente para me esforçar. Mas, sabe, é bom deixar isso de lado. As pessoas respondem melhor quando você apresenta confiança.

Acho que meu estilo é meio “de menino”. Gosto de usar coisas confortáveis, meio andróginas. E pode parecer contraditório, mas eu também adoro um estilo mais clássico. Coisas meio na linha de Audrey Hepburn. E curto também a moda dos anos 1990. Gosto de usar gorros, bonés de beisebol, correntes como aquelas dos anos 1990… roupas floridas…

Manter-me a mesma no show business moderno… bem, acho que Meryl Streep é um bom exemplo, pois ela tem uma carreira muito longa, e ainda assim é uma ótima pessoa para se trabalhar no set de filmagem, segundo ouvi dizer. Ela é bem positiva. Ela trabalha porque gosta de trabalhar. É assim que funciona para ela, não se trata de ser popular, de ser a melhor. Trata-se de fazer o melhor possível e aproveitar as pessoas com quem você trabalha. É inspirador se mirar no exemplo de pessoas assim. Com relação ao que eu gostaria de fazer na minha carreira, eu gostaria de fazer como Justin Timberlake. Ele veio do “Clube do Mickey”, trabalhou na Disney. Desde então, faz músicas ótimas, atua, produz, e continua sendo um cara legal. É uma das minhas metas.

[Sobre continuar na música e na atuação] Sim! Quer dizer, se você tem a oportunidade de fazer as duas coisas, por que não? Se você gosta delas, e se as pessoas querem que você continue nelas…

[Sobre Justin Timberlake] No álbum mais recente dele, você vê que ele se envolveu em todos os campos da música dele. Adoraria estar também produzindo meus trabalhos, é uma das minhas metas. Vejamos onde isso vai dar. Se eu fizer coisas ruins, aí eu paro, e deixo isso nas mãos de outra pessoa. Mas creio que valeria a pena tentar.

Sabe, há uma coisa que eu descobri recentemente – e acredite que não é barato. Às vezes, eu chamo as marcas caras de “marcas com uma ideia”. Você compra também a ideia do que elas fazem. Daí, você vai achando coisas mais baratas, de lugares diferentes. Mas adoro marcas como Sandro, Madge… The Kooples também é legal… Um lugar onde eu também achei coisas legais é a YMC.

Com relação à imprensa, eu acho que eles não me tornaram a vida difícil, até agora. Eu posso fazer as coisas que quero, ninguém liga, e é ótimo. Mas com relação a dar atenção aos fãs, eu acho que não consigo controlar isso bem, porque às vezes ocorrem situações para as quais não estou preparada. Você está no jantar, ou no aeroporto, e aí vêm as pessoas em grupos, e chegam em mim… Mas acho que estou ficando melhor nisso. E honestamente, adoro me encontrar com meus fãs, cumprimentá-los, conversar com eles, saber de onde vêm. Então, se vocês quiserem me dizer ‘oi’, podem vir! Não fiquem tirando fotos de longe, só venham e digam ‘oi’, e nos divertiremos.

Houve uma coisa engraçada. Eu estava voltando da Argentina, no avião, e havia algumas crianças no avião. Elas estavam tirando fotos minhas, enquanto eu tentava dormir. Daí, uma hora, elas vieram até mim e pediram que eu tirasse uma foto com elas. Raras vezes eu me escondo para não tirar fotos, daí eu falei: “Beleza, vamos lá! Mas rápido, gente!”. Foi legal.

O melhor presente que ganhei de um fã… bem, ontem eu ganhei um ótimo! Um fã havia feito uma abelha, com um monte de pastilhas de “Reese’s Pieces”, como eu cito na letra de “Forgot to Laugh”. Achei aquilo legal. E houve outra garota que me deu um CD com versões dela de todas as minhas canções no piano. Estou ansiosa para ouvi-las.

Acho legal reconhecer que a pessoa fez aquilo. Eu leio as cartas, a gente responde as cartas dos fãs, mandamos algo de volta. É bom reconhecer que a pessoa colocou carinho naquilo.

Adoro o fato da reação dos fãs ser tão imediata. Eu entro no Twitter e vejo o que as pessoas estão dizendo. Um fã diz “oi”, e eu respondo, e aí a gente conversa… Reconheço que não sou boa em atualizar as coisas. Às vezes eu esqueço! Mas acho legal viajar e tirar fotos. O Instagram é ótimo, pois adoro tirar fotos.

Sim, [eu estou em] Cingapura! É bonito! Eu também adorei Londres, visitei a cidade algumas vezes. Eu também gostei da França. E recentemente fui para a Noruega, foi ótimo!

Eu adoraria ir para a China, ou para o Japão, seria ótimo! Adoraria ir para a Índia, África… há muitos países, muitos continentes.

Sim, adoro cozinhar! É sempre legal testar novas receitas. Normalmente, eu gosto de cozinhar no café da manhã, quando você pode pegar diferentes coisas que estão na geladeira, e criar algo novo. Mas também adoro olhar a revista “Bon Appetit”, ou ver coisas na internet, que sejam originais.

O prato que eu melhor sei fazer? Bem, uma vez fiz pasta toss, sem nenhum molho. Não havia molho nenhum, eram só vegetais diferentes, chalotas… acho que eram chalotas de alho, ou de cebola. Havia um vinho branco, que tinha consistência de manteiga, e era ótimo! Havia muito queijo parmesão… daí eu misturei tudo na panela, e ficou maravilhoso, bem saboroso!

Adoro comidas da região do Mediterrâneo, comidas gregas, é muito bom! Eu fui a um lugar em Kansas City, chamado Russo’s Cafe, que é bacana. E também amo comida indiana.

Acho que gosto naturalmente de comidas mais saudáveis. Elas não me fazem sentir tão pesada. Então, trata-se de comer alimentos que não lhe farão mal, mas que farão seu corpo se sentir bem, farão você parecer melhor. Eu normalmente não faço exercícios, mas antes de cada apresentação ao vivo… eu me mexo no palco por uma hora, então eu fico com a respiração péssima! Estou fora de forma!


Adoraria fazer mais música, produzir algum trabalho. Adoro trabalhar com filmes, séries de TV, também, então seria legal atuar neles, e quem sabe escrever um episódio. É meio que um sonho. Quer dizer… e não sei se será daqui a cinco anos, se será assim daqui a dez anos, daqui a vinte, a trinta, mas adoraria ter um restaurante.

Créditos:Bridgit Mendler Brasil e Disney Channel Noticias

Nenhum comentário:

Postar um comentário

_Seja educado
_Todos Podem Comentar exceto anônimos